This Page is not available in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Estudantes Casos de Sucesso Sara Rodrigues
SARA RODRIGUES

Licenciatura em Enfermagem

Sara Rodrigues é antiga aluna do Instituto Politécnico de Setúbal e um exemplo de sucesso no que respeita ao ingresso no mercado de trabalho.

Frequentou a Licenciatura em Enfermagem na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal (ESS/IPS), entre 2005 e 2010. O empenho, dedicação e vocação demonstrados no estágio curricular de último ano podem ter-lhe valido a primeira oportunidade de emprego no Serviço de Neonatologia do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra).

"Ter sido selecionada para iniciar funções no serviço de neonatologia do HFF foi simplesmente indescritível, pois trata-se de uma das áreas profissionais onde ambicionei crescer e onde, inclusivamente, colegas da equipa interdisciplinar, conheceram de perto o trabalho que desenvolvi ao longo do estágio" - afirma a Enfermeira Sara.

"A Licenciatura foi um experiência única e bastante gratificante. Trabalhei muito, chorei e sorri, durante todo o percurso, mas hoje sou feliz e realizada por fazer aquilo que gosto e que me preenche" - acrescenta.

1. Licenciou- se em Enfermagem. Foi uma opção tomada por vocação?
Durante a minha infância, tal como todas as crianças, tive gosto por outras profissões. Inicialmente quis ser cabeleireira, mas cedo mudei de ideias, para dar lugar à medicina veterinária. A área da saúde, desde logo, me despertou interesse sendo que a partir dos meus 10 anos já tinha como certo que seria veterinária ou enfermeira... A necessidade de estar em contacto com as pessoas, bem como a necessidade de fazer a diferença, de alguma forma, na vida das mesmas, levou- me a optar pela enfermagem. E sim, considero que a minha paixão pela arte do cuidar é sustentada por algumas características pessoais que me permitem estar no mundo da enfermagem.

2. O que a levou a escolher a Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal?
Por duas razões principais. Primeiro era a escola mais perto da minha residência. Segundo, tinha alguns amigos e conhecidos que já se encontravam no Instituto Politécnico de Setúbal, nomeadamente na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal e na Escola Superior de Educação. A associação das duas premissas levou à minha escolha.

3. Quais os momentos que recorda com mais carinho?
São vários. Desde o traçar da capa, cerimónia académica que foi o culminar das atividades de integração, passando pelas noitadas em grupo para terminar trabalhos, o companheirismo e as amizades que se criaram, bem como algumas festas como a semana académica. O culminar dos próprios estágios (ensinos clínicos), foram momentos que permitiram um grande desenvolvimento pessoal e académico, fortaleceram algumas amizades e corroboraram o sentimento, que já trazia comigo, de que realmente se pode fazer a diferença com pequenos gestos e, ainda, a cerimónia do compromisso realizada no final do curso. Estes são alguns exemplos de entre tantos.

4. Quais destacaria como o melhor e o pior momento do curso?
O melhor, sem dúvida, que foi a partilha de emoções na queima das fitas, na conclusão do curso, sendo o culminar de tanto esforço e dedicação. Quanto ao momento pior, talvez um ensino clínico em particular que exigiu de mim mais empenho, mas até esse me tornou mais forte, sendo por isso, também uma mais-valia.

5. O curso proporcionou-lhe uma experiência além fronteiras. Como surgiu e decorreu?
É verdade. Tive conhecimento através da Professora Lucília Nunes, de um curso interdisciplinar, o IPPE - Interdisciplinary Program of Paliative and end-of-life Care - que iria decorrer na Bélgica. Fiquei, desde logo, interessada por se tratar de uma oportunidade de aumentar conhecimentos, teóricos e práticos, sobre os cuidados paliativos, uma das áreas que me preenche particularmente, para além da neonatologia. Tive, então, conhecimento de uma bolsa que auxiliava os estudantes com dificuldades de pagamento do respetivo curso e despesas associadas... E assim me inscrevi, passando por uma prova de seleção, na qual fui selecionada, juntamente com mais 2 colegas de enfermagem e 2 de Fisioterapia. Foi uma experiência inesquecível, onde desenvolvemos bastantes conhecimentos, sobre os cuidados paliativos e assuntos relacionados como as diferentes visões legais sobre a eutanásia, as diferenças culturais na vivência do luto, da cerimónia fúnebre, entre outros, bastante interessantes. Foi um grande ganho a nível académico, mas sobretudo a nível pessoal.

6. Como caracteriza a preparação que esta Licenciatura confere aos seus diplomados?
Todo o recém-licenciado necessita de continuar o seu percurso de aprendizagem, embora num outro nível. Este depara-se com a busca do primeiro emprego, necessitando de ganhar confiança e desenvolver a sua autonomia. Para isso, apenas uma coisa lhe dá poder, para além da prática... o conhecimento. Nesse âmbito penso que a ESS/IPS prepara muito bem os seus estudantes. Para além de nos capacitar em termos teóricos e práticos (no âmbito das Ciências Biomédicas, Sociais e Humanas, bem como em gestão em saúde, Investigação, Ética e Bioética e, ainda Deontologia Profissional), estimula o espírito crítico e a busca continua pelos saberes, sendo isso muito importante na nossa profissão.

7. Quais os locais onde realizou os vários estágios curriculares do curso?
Durante o curso tive a oportunidade de passar, a nível hospitalar, pelo Serviço de Medicina Interna/Neurologia, Serviço de Cirurgia I e Unidade de Cuidados Especiais Neonatais do Centro Hospitalar de Setúbal, EPE - Hospital São Bernardo; assim como pelo serviço Medicina I/ Gastro pneumologia, Serviço de Cirurgia e Serviço de Obstetrícia do Hospital de Nossa Senhora do Rosário, EPE; Serviço de Medicina (C8) do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil; Unidade de Cuidados Intensivos Polivalentes, do Hospital São José e, ainda, Unidade de Cuidados Intensivos e Especiais Neonatais, do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca. No que diz respeito a Centros de Saúde, tive oportunidade de estagiar no Centro de Saúde do Lavradio, Centro de Saúde da Baixa da Banheira e no Centro de Saúde do Vale da Amoreira. Por último, mas não menos importante, pude, ainda, desenvolver a minha aprendizagem na Comunidade Terapêutica do Restelo.

8. Como se deu o ingresso no Hospital onde realizou o estágio de último ano?
Após a conclusão do estágio e, ainda nos últimos dias do processo de término do curso, deixei um currículo no Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), onde decorreu o mesmo. Seguidamente, fui apurada para uma entrevista tendo sido, posteriormente, selecionada.

9. A Enfermagem é a paixão da sua vida ou partilha-a com outros sonhos?
A enfermagem é uma das paixões da minha vida, mas existem mais. A música é outra porção de mim, faço parte inclusivamente de um projeto musical, juntamente com mais 4 pessoas muito especiais. Lançamos este ano o nosso CD - Rascunho Musical - mas, de momento, trata-se de um projeto acústico que vai embelezando as cerimónias nupciais na igreja. Depois existe também a paixão pela pintura, pela fotografia, pela dança... enfim... Felizmente vivo de paixões.

10. Está a ser desenvolvida a Associação de Antigos Alunos do IPS. Consideraria fazer parte deste projeto?
Tendo em conta a pouca disponibilidade que, atualmente, possuo com as responsabilidades profissionais e para com o projeto musical, seria difícil dar resposta às necessidades que me fossem pedidas. No entanto, pode ser algo a ponderar.

11. Que conselhos deixa aos estudantes do IPS que os ajude na integração no mercado de trabalho?
Penso que quando a pessoa é dedicada e empenhada durante o curso já se dá um grande passo. Considero também que em todos os estágios é possível mostrar, desde logo, parte da nossa competência, aí poder-se-ão, ou não, abrir portas. No último estágio, o trabalho desenvolvido deve ser realizado com esforço adicional, o desenvolvimento de projetos também mostra as nossas aptidões e pode ser um auxílio para as instituições que até estão à procura de novos colaboradores. Depois disso, a persistência, a paciência e a mesma dedicação são cruciais. Quem luta e se esforça, regra geral é reconhecido.