This Page is not available in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

Estudantes Casos de Sucesso Sérgio Palhais
SÉRGIO PALHAIS

Licenciatura em Gestão da Distribuição e da Logística

Sérgio Palhais é antigo aluno do Instituto Politécnico de Setúbal.

Frequentou a Licenciatura em Gestão da Distribuição e da Logística na Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal (ESTSetúbal/IPS), entre 1999 e 2003.

Iniciou carreira na Sonae, como Gestor de Stock, integrou a Empresa Unimercator, como Responsável Logístico Nacional passando, posteriormente, a Diretor de Operações da mesma empresa. De seguida, foi convidado para integrar a Empresa Adicional Logistics SA, como Diretor de Unidade de Negócio. O passo seguinte foi assumir a função de Gestor de Operações Internas na Empresa Luis Simões.

Atualmente, é Diretor de Operações na Empresa Rangel Distribuição e Logística SA.

A Licenciatura foi, para o seu percurso de vida, "a 'chave' que me permitiu abrir a porta para a carreira profissional que hoje tenho, que me forneceu as competências para encarar e ultrapassar desafios, contribuindo para a minha realização profissional" - explica o antigo aluno.

1. Licenciou- se no curso de Gestão da Distribuição e da Logística. Foi uma opção tomada por vocação?
Honestamente não, a opção resultou da análise que efetuei às saídas profissionais dos vários cursos disponíveis. Após o primeiro ano de curso ficou claro para mim que esta era uma área com a qual tinha afinidades, salientando que este fator motivacional foi bastante importante, tanto para o sucesso académico como para o profissional. Uma opção pragmática acabou por resultar numa opção feliz.

2. O que o levou a escolher a Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal?
Tratou-se de uma escolha ponderada tendo em conta alguns fatores, nomeadamente a proximidade face à minha área de residência, as acessibilidades, salientando a proximidade de uma linha ferroviária, e sobretudo o facto de oferecer cursos ainda recentes no mercado, tais como o curso de Gestão da Distribuição e da Logística. Também contribuiu a opinião de amigos que já estavam matriculados na ESCE/IPS.

3. Quais os momentos do curso que recorda com mais carinho?
Sempre que me lembro da minha passagem pela ESCE/IPS recordo, especialmente, as amizades e a camaradagem que existia, quer entre alunos, quer entre alunos e professores. Aqui reservo o direito de nomear dois colegas (Valter Amadinho e David Gomes) que partilharam comigo os 4 anos académicos, assim como a Professora Cristina Luis, que foi uma referência ao longo do meu percurso na ESCE/IPS.

4. Como caracteriza a preparação que a Licenciatura lhe conferiu?
Penso que o curso consegue preparar os alunos para encararem o mercado de trabalho na área Logística com conhecimentos suficientes para iniciarem a carreira. Após a fase inicial dependerá de cada um saber utilizar, da melhor forma, os conhecimentos adquiridos, e adaptá- los à realidade profissional em que cada um está inserido.

5. Terminado o curso, começou a trabalhar na Sonae como Gestor de Stock. Como ocorreu esta integração no mercado de trabalho?
A minha integração no mercado de trabalho foi bastante positiva. Consegui entrar, rapidamente, numa empresa muito exigente e profissional que me permitiu construir os alicerces para prosseguir a minha carreira. Mesmo hoje, passados 8 anos, esta empresa continua a ser uma referência importante no meu percurso profissional.

6. Como tem sido o seu percurso profissional?
O meu percurso profissional, ao longo dos seus 8 anos de existência, tem sido pautado pela seleção criteriosa de projetos que possam acrescentar valor às minhas valências profissionais, permitindo-me construir uma carreira sustentada e coerente com os meus objetivos futuros.

No seguimento da experiência na Sonae, optei por integrar um projeto ligado à Logística Promocional, no grupo de Empresas Unimercator, que me possibilitou evoluir bastante pessoal e profissionalmente.

Passados alguns anos aceitei o desafio de liderar uma unidade de negócio na empresa Adicional Logistics SA, onde acrescentei às minhas responsabilidades as áreas de gestão comercial e financeira, assim como a internacionalização do negócio para Espanha.

O passo seguinte foi incorporar a Empresa Luis Simões, desempenhando a função de Gestor de Operações Internas no Centro de Operações Logísticas do Carregado.

Por último, no início de 2011, integrei a Empresa Rangel Distribuição e Logística, onde desempenho a função de Diretor de Operações.

7. O que faz um Diretor de Operações?
Na função de Diretor de Operações tenho a responsabilidade de coordenar todas as operações efetuadas dentro da Plataforma do Montijo, assim como definir e controlar todos os custos/receitas associados às operações que se encontram sobre a minha responsabilidade. Tal como em outras áreas temos que ter sempre o nosso foco no correto nível de serviço que prestamos aos clientes e no menor custo possível para a empresa.

8. Na sua opinião, qual o impacto das questões relacionadas com a sustentabilidade na gestão logística, em particular no sector em que está, devido à forte dependência do petróleo?
Penso que é muito difícil prever os impactos destas questões. De qualquer forma, posso partilhar que já vamos sentindo, no mercado logístico, alguns movimentos de concentração de empresas, assim como o desaparecimento de pequenos operadores que não estão a conseguir resistir ao rápido aumento dos custos operativos, nomeadamente na área dos transportes.

9. Que conselhos daria aos estudantes de Gestão da Distribuição e da Logística que pretendam vingar no mercado de trabalho?
Digo algumas vezes que "cada um faz o seu destino, eu ando a lutar pelo meu". Com isto quero dizer que para vingar em qualquer mercado de trabalho temos que dar o nosso melhor todos os dias, mostrar capacidade de assumir as grandes e pequenas decisões que tomamos, termos um bom relacionamento com os diferentes níveis hierárquicos, fornecedores e clientes, estarmos sempre focados e alinhados com os objetivos da empresa que representamos. É do conjunto destes fatores que vamos formando o nosso DNA profissional que irá construir o futuro de cada um.