This Page is not available in English  

Saltar para: Menu Principal, Conteúdo, Opções, Login.

IPS abre novos grupos de tratamento para pessoas com fibromialgia

Projeto SHARE: inscrições decorrem até 23 de agosto

A equipa do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) que está a investigar os efeitos da Fisioterapia em pessoas com fibromialgia, no âmbito do projeto SHARE, regressa ao terreno depois de um período de suspensão de novos grupos de tratamento, em virtude da crise sanitária, para promover uma nova ronda de recrutamento de voluntários, cujas inscrições estão a decorrer até dia 23 de agosto.

Os investigadores, do Centro Interdisciplinar de Investigação Aplicada em Saúde do IPS, consideram que "o exercício físico é essencial para quem tem fibromialgia" e que "a sua prática deve ser reiniciada" o quanto antes, desde que em segurança. Estão, por isso, reunidas todas as condições para "garantir um regresso seguro, contanto com os materiais de proteção individual e desinfeção necessários para todos as participantes, gratuitamente", asseguram. 

A investigação, que arrancou em finais de janeiro com 24 pacientes diagnosticados clinicamente com fibromialgia, integra o projeto SHARE - Saúde e Humanidades Atuando em Rede, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), e vai estar no terreno até outubro de 2020. O programa contempla exercícios de grupo em duas sessões presenciais por semana, e uma de trabalho autónomo.

Com causas que não estão ainda perfeitamente identificadas, a fibromialgia é uma síndrome de natureza crónica que afeta perto de 200 mil pessoas em Portugal e que apresenta como principais sintomas a dor generalizada e a fadiga. Frequentemente, numa primeira linha, é tratada com recurso a fármacos, sem que previamente se explorem os potenciais benefícios das abordagens não farmacológicas, como é o caso da fisioterapia, através da prática de exercício específico associada a uma capacitação para autogerir uma condição clínica que é crónica.

A investigação foi precedida de um estudo piloto, que gerou "resultados muito positivos ao nível da diminuição da dor e da fadiga e do aumento dos níveis de funcionalidade, ou seja, da capacidade de realizar as tarefas do dia a dia", pelo que, explica Carmen Caeiro, investigadora responsável, há "fortes indicadores do potencial deste tratamento para uma melhoria da qualidade de vida destes pacientes".   

O estudo, liderado pelo IPS, tem como parceiros a MYOS - Associação Nacional Contra a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica, e os centros hospitalares de Setúbal (Unidade Multidisciplinar de Terapêutica da Dor) e de Lisboa Ocidental (Hospital de Egas Moniz).  

A participação é gratuita, mediante inscrição através do telefone 910 710 518 ou do endereço patricia.falcao@ess.ips.pt

##1##

06 de agosto/2020

Opções
Últimas Notícias
Politécnico de Setúbal coloca mais de mil novos estudantes
Politécnico de Setúbal regressa ao ensino presencial
Atualização COVID-19 | Ano letivo 2020/2021
Tourism Explorers regressa a Setúbal
Informação Académica | Inscrições, prazos, contactos